A pontuar desde 2003.

domingo, agosto 29, 2004

Poesia em Alfama.

Foi, ao que pude apurar, o primeiro casamento inter-blogístico. Mas, muito mais, foi a união de uma Vírgula e de um lírico, como se Lobo Antunes se casasse com o discurso directo ou Saramago com a ausência de pontos finais. Foi um final de tarde perfeito, todo ele edificado sobre sorrisos cúmplices e abraços sentidos. A noite foi abençoada por um santo tão lisboeta quanto possível, nos amigos e no repasto, divinal. O Raínha descreve tudo, em bom, aqui. Por cá, ficam meia dúzia de polaroids soltas, o relato terreno de uma noite, pelo menos para duas (três!) pessoas, do outro mundo.


|