A pontuar desde 2003.

sexta-feira, outubro 29, 2004

Post-it.

Note to self: não esquecer de escrever um post sobre um dos mais incontornáveis projectos teatrais a que tenho assistido. É urgente.

|

Crepúsculo.

É impossível ficar indiferente a estas horas em Paris, a esta história de encontros e desencontros que é também nossa, ao passar dos anos, aos diálogos tão simultaneamente sublimes e verosímeis, à possibilidade do amor, sempre. É impossível, não é?


|

terça-feira, outubro 26, 2004

Alice no País nos Blogs.

Acabei ontem de escrever um texto sobre blogs para a Alice, a revista do Clube de Criativos de Portugal, a minha pandilha, brilhantemente orientada pela Maria João Freitas, com uma preciosa ajuda desta senhora. É curioso a dificuldade que tive em imergir num universo que me deveria ser tão familiar. Tudo parecia redutor, tudo soava a redundância, todas as frases eram bacocas, em suma, estava enfiado em merda até ao pescoço. Nadei, nadei (linda metáfora, esta...), e finalmente consegui desatolar-me. Ainda meio febril, pus-me de pé e escrevi o dito, meio das tripas, meio doutro sítio qualquer e daqui a um par de meses, há-de ser o que deus quiser. Pode estar ao nível dos discursos completos do Narana Coissoró na AR, mas lá que me deu um gozo do caraças a escrever, lá isso deu.

PS: O que é que vos deu na cabeça para dar à miúda nome de revista?

|

Justificação de faltas.

Então é assim, stôra, a Vírgula, tá a ver, a Margarida dos óculos assim meio vermelhos, prontos, ela está a mudar de casa, mais o chaval dela e mais a ervilha e assim ela fica sem tempo para vir aqui à cena, percebe? Prontos, não é falta de vontade nem nada, ela pensa boés nisto, mas não consegue mesmo ter tempo, é assim. O Ponto, a stôra topa, assim pequenito, enfezado, de óculos e com um ar assim meio estranho, prontos ele não está a mudar de casa nem está grávido, ehehehe, mas anda assim meio no mundo da lua, a stôra sabe, né, mas ele manda dizer que mais uns dias e tá como novo. E então, prontos, é assim :)

|

domingo, outubro 24, 2004

Please don't go-go.

A propósito da edição em DVD do segundo tomo da saga de Quentin Tarantino. This is me in my masochistic self...


|

quinta-feira, outubro 21, 2004

A droga era boa.

O mundo anda por aí, à solta, e duas mãos não são suficientes para o agarrar, abraçar, confortar. Fica a intenção e a vontade de algo mais.

|

quarta-feira, outubro 20, 2004

Mimetismos.


|

segunda-feira, outubro 18, 2004

É só rir.

Anda por aí um canal de televisão dedicado à comédia. Ah, e ao que parece, a SIC também lançou um canal temático do género.

|

Alcântara by night.


|

Eu que não percebo nada do assunto.

Quando é que o futebol deixou de ser futebol?

|

O ditador que há em mim.

Esse, sobressai num dos mais clássicos jogos de tabuleiro (e o meu preferido), o Risco. Sempre que possível, escolho os exércitos azuis escuros - agrada-me a mancha de cor (ou a ausência dela) que exercem no tabuleiro, intimidando os adversários mais alegres e despreocupados, como os vermelhos ou os amarelos. A guerra é suja, dura e muito escura.


|

Um livro, um filho.

Este fim de semana plantei duas árvores, dois pequenos freixos que, numa dúzia de anos, darão sombra e frescura aos verões quentes da beira. Já plantei talvez uma dúzia de árvores ao longo da minha (curta) existência, mas é um gesto ao qual nunca consigo ficar indiferente.

Hoje respiro melhor.

|

quinta-feira, outubro 14, 2004

Por debaixo de.

As coisas mais interessantes estão, amiúde, por debaixo de. Aliás, basta pensarmos na quantidade de vezes que procuramos aquele disco pe(r)dido ou aquele número esquecido da Kapa e que acabamos por encontrar, invariavelmente, debaixo da cama ou debaixo da estante da sala ou mesmo debaixo do aparador.

Por debaixo de. É lá que as coisas estão.


|

quarta-feira, outubro 13, 2004

Sem título (4).

Ando cá com uma preguiça de escrever...


|

terça-feira, outubro 12, 2004

Sem título (3).


|

segunda-feira, outubro 11, 2004

Sem título (2).


|

Sem título (1).


|

quinta-feira, outubro 07, 2004

O fotógrafo que não fui.

Daniel, sem dúvida alguma, Daniel.


|

Falso alarme.

Dizia eu, no post anterior, que, com o início do mais recente reality show da TVI (não, não estou a falar do "Marcelo e os Sete", mas da "Quinta das Celebridades"), este blog escrever-se-ia a si próprio. Depois de ver o programa atentamente, percebi que, afinal, não. Para resumir a minha opinião sobre o programa, e sobre o papel que o José Castel-Branco/Tatiana Romanov ocupa na actual sociedade mediatizada, aconselho-vos este texto, onde o Luís tocou nas feridas certas.

Posto isto, a vida continua, agora sem celebridades, nem quinta. Enfim, temos sempre o Seinfeld na SIC Radical...


|

terça-feira, outubro 05, 2004

Influências.

Com a Alice a quatro meses de distância e o início da Quinta das Celebridades, parafreseando estes senhores, este blog praticamente escreve-se a si próprio.

|

segunda-feira, outubro 04, 2004

Actor pornográfico na "Quinta das Celebridades".

Confirmam-se os nossos piores receios - Avelino Ferreira Torres é agora uma estrela televisiva a nível nacional.

|

sábado, outubro 02, 2004

There's only Alice.

It's dreamy weather we're on
You waved your crooked wand
Along an icy pond with a frozen moon
A murder of silhouette crows
I sawAnd the tears on my face
And the skates on the pond
They spell Alice

I disappear in your name
But you must wait for me
Somewhere across the sea
There's a wreck of a ship
Your hair is like meadow grass on the tide
And the raindrops on my window
And the ice in my drink
Baby all I can think of is Alice

Arithmetic arithmetock
Turn the hands back on the clock
How does the ocean rock the boat?
How did the razor find my throat?
The only strings that hold me here
Are tangled up around the pier
And so a secret kiss
Brings madness with the bliss
And I will think of this
When I'm dead in my grave
Set me adrift and I'm lost over there
And I must be insane
To go skating on your name
And by tracing it twiceI fell through the ice
Of Alice

And so a secret kiss
Brings madness with the bliss
And I will think of this
When I'm dead in my grave
Set me adrift and I'm lost over there
And I must be insane
To go skating on your name
And by tracing it twice
I fell through the ice
Of Alice

There's only Alice

Alice, Alice, Tom Waits/Kathleen Brennan 1992.

Alguém tem que educar a miúda... Um beijo, pequenina, até já.

|

sexta-feira, outubro 01, 2004

Revelação,

O país das maravilhas está debaixo do meu umbigo, do lado de cá do espelho.

|

Depois do ecoponto,

A ecovírgula - é hoje.

|